Mais compartilhadas

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Será que a Presidente Dilma será novamente vaiada, na final da taça das confederações.

Será que a presidente Dilma será novamente vaiada...
Por esta ninguém esperava, principalmente a classe política, esses pensavam que fariam a copa do mundo no Brasil, em 2014, gastariam bilhões e o povo brasileiro não se importaria com a gastança, mas o tiro saiu pela culatra, bastou sair os primeiros relatórios sobre o dinheiro gasto até agora e o que será provavelmente gasto até a realização do evento, para o futebol deixar de ser a "paixão do povo brasileiro".

Num primeiro momento, o povo saiu às ruas para manifestarem contra o aumento dos preços dos bilhetes dos transportes públicos, que no Estado de São Paulo foi de R$ 0,20, um dos estados onde os protestos tomou a maior proporção.

Nos dias 6,7 e 11 de Junho houveram três manifestações contra o aumento dos R$ 0,20, nessas manifestações houveram muita violência e confrontos entre a polícia e os manifestantes, a imprensa chegou mesmo a noticiar e classificar o acontecimento como vandalismo.

Mas o povo respondeu com mais manifestações, na quinta feira da mesma semana, dia 13 de junho, com mais protestos mas dessa vez, os protestos começaram a se espalhar por outras cidades do país nomeadamente, Natal, Porto Alegre, Santarém, Maceió, Rio de Janeiro e Sorocaba - SP.

Daí pra frente, praticamente todos os dias haviam protestos e cada vez mais se espalhavam por mais cidades do país.

Como o movimento crescia cada vez mais, o momento crucial foram as vaias dadas à presidente Dilma no momento da abertura da copa das confederações no dia 15 de Junho, aliás não foi só a presidente do Brasil que foi vaiada, o presidente da FIFA, Josef Blatter, também foi vaiado durante o discurso de abertura da copa das confederações e foi ele quem pediu calma aos 60.000 torcedores que estavam presentes no estádio Mané Garrincha, na capital do país - Brasília.

A partir daí, os protestos aumentaram cada vez mais e mais, uns com mais violência outros nem tanto, alguns protestos até clamavam por paz, mas alguns oportunistas aproveitavam da situação para promoverem a violência e tudo mais que dela provem (muitas lojas foram depredadas e saqueadas).

Como a onda dos protestos era muito crescente chegando mesmo a mobilizar outros brasileiros e simpatizantes do movimento que vivem fora do Brasil, os protestos cresciam muito rapidamente, os governantes não diziam nada, ninguém se pronunciava, ninguém recuava.

Mas os governos de alguns Estados acabaram por recuar, baixando primeiramente o preço do bilhete do transporte público, mas mesmo assim, o povo continuou e continua a protestar exigindo mais saúde, mais educação ( tudo nos padrões da FIFA), menos corrupção, menos gastos com a copa 2014 (quase 30 bilhões de Reais).

Diante tantas manifestações a presidente Dilma resolveu se pronunciar e assim divulgou 5 pontos básicos para dar um novo rumo ao Brasil;
  • 1. Responsabilidade fiscal, para garantir a estabilidade da economia e o controle da inflação.
  • 2. Construção de uma ampla reforma política, que amplie a participação popular, com punição maior à corrupção.
  • 3. Melhorarias na área da saúde, acelerando os investimentos em hospitais e outras unidades de saúde.
  • 4. Maior qualidade no transporte público.
  • 5. Melhorias na educação.
A presidente propôs um debate, sobre a convocação de um plebiscito popular que autorize um processo constituinte específico para fazer a reforma política que o país tanto necessita. O Brasil está maduro para avançar e já deixou claro que não quer ficar parado onde está”, disse a presidente.

A presidente Dilma propôs ainda, que a corrupção dolosa (intencional) passe a ser equivalente a crimes hediondos.

Sendo ou não motivada pela presidente Dilma, algumas mudanças começaram a aparecer, entre elas a proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37, que limita o poder de investigação do Ministério Público, esta foi derrubada pela Câmara dos Deputados no dia 27 de junho.

Outra medida rapidamente aprovada também no mesmo dia, foi a divisão da totalidade dos "royalties" do petróleo, sendo 75% para a educação e de 25% para a saúde.

Mas mesmo perante algumas mudanças, estabelecidas pelos governos estaduais e federais os protestos ainda não se encerraram completamente e continuaram a se realizar, principalmente nas cidades onde aconteciam os jogos da copa das confederações, sendo a cidade de Belo Horizonte - MG a se mobilizar "por último" contra os jogos, contra o governo, contra a copa 2014 e contra a FIFA, uma vez que a seleção brasileira jogou nesta mesma cidade, no dia 26 de junho, a semifinal da competição, contra a seleção do Uruguai (vitória do Brasil por 2 X 1). No dia seguinte, dia 27 de Junho, as seleções da Espanha e Itália se defrontaram na Arena Castelão, em Fortaleza - Ceará, pela outra semifinal da taça das confederações (vitória da Itália por 7 X 6 nos pênaltis) sem muita confusão relacionada aos protestos.

Mas e agora? Domingo será a "grande final", Brasil contra Espanha pela taça das confederações, no mais famoso estádio mundial (Maracanã) estádio este que tem sido um ponto de discórdia entre o povo e o governo, por causa dos elevados gastos para a sua reforma, será que a presidente Dilma se pronunciará no encerramento da competição? E se ele discursar, como o povo irá reagir, vale a pena lembrar que a copa do mundo é para turistas ou brasileiros da classe média alta ou rica, porque pobre com certeza não terá dinheiro para gastar com um bilhete para ver os jogos, ao menos que esse jogo seja da pior seleção contra outra do mesmo patamar, mas afinal quem é que quer ver jogo de pernas-de-pau. 

Pobre ver a sua seleção jogar é na televisão, se é que o pobre brasileiro voltará a se "apaixonar" pela seleção brasileira.