Mais compartilhadas

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Apresentador Luiz Datena negocia sequestro com bandidos ao vivo.

Apresentador Luiz Datena negocia sequestro com bandido ao vivo.
Qual o papel da imprensa na sociedade atual?

Nos dias que se seguem as pessoas e as empresas estão mudando cada vez mais os seus valores e comportamentos e, cada vez mais para pior.

Os canais de televisão não estão medindo as consequências para atingirem os mais elevados índices de audiência possível, da mesma forma que pessoas anônimas ou não, as tais chamadas "celebridades" também não medem esforços para se aparecerem cada vez mais e, as anônimas querem se tornar famosas do dia para noite.

Numa quarta-feira 28 de novembro de 2012, o apresentador José Luiz Datena, que apresenta o programa Brasil Urgente da Rede Bandeirante de televisão, assumiu a negociação de um sequestro durante a emissão do seu programa ao vivo.

O sequestro aconteceu no bairro de Diadema, na cidade de São Paulo, um homem chamado Joel que estava armado com uma faca, e assim fez refém duas pessoas (mãe e filha) depois de um desentendimento fútil.

O bandido depois que se apercebeu da "fama" temporária que lhe foi atribuída, dado que estava na televisão ao vivo a falar com um apresentador famoso e, começou a fazer exigências descabidas, como por exemplo a solicitação para ver uma moto da TV Bandeirantes.

Vários especialistas em segurança pública criticaram a ação da polícia de colocar a frente das negociações um "amador", uma vez que o apresentador não tem nenhuma preparação profissional para negociar um sequestro, felizmente mãe e filha foram libertadas com as suas vidas preservadas.

Esse caso me faz lembrar um outro caso semelhante, quem não se lembra do assassinato da jovem Eloá Pimetel aliás, tema de uma matéria aqui no blog ( http://www.news365mundo.com/2012/02/o-julgamento-do-assassinato-da-jovem.html ) nesse caso a imprensa teve imensa responsabilidade, digo isso porque durante esse sequestro a apresentadora de televisão Sônia Abraão e o também apresentador Britto Junior, falaram durante as emissões dos vossos programas ao vivo com Lindemberg Alves, sequestrador e ex-namorado da jovem Eloá, que infelizmente foi morta pelo próprio sequestrador no desfecho do caso, felizmente o caso de Diadema teve um desfecho mais feliz, onde as vítimas foram libertadas com vida.

Mas a imprensa tem que ter um limite nas cobertura desses casos, os profissionais da televisão, tem que ter uma postura digna e não se meterem no trabalho designado à polícia, a televisão não deve promover sensacionalismo nesses casos, devem simplesmente fazer a cobertura do caso, repassando ao público telespectador simplesmente a notícia e, até vou mais longe, até acho que nem deveria ser transmitido as notícias desses casos de sequestro ao vivo, para não atrapalharem o trabalho da polícia e colocar as vidas das pessoas em risco.

Os profissionais da imprensa em geral não devem fazer desses casos de sequestro um reality show, para atingirem os desejáveis máximos de audiência.

O apresentador José Luiz Datena, já veio a público dizer que está arrependido por se envolvido no caso, a polícia não quer mais comentar o assunto.

Não é preciso ser nenhum profissional da segurança pública para saber que esse papel da imprensa não está correto, mas mesmo assim garanto que não será a última vez que isto aconteceu, porque para a imprensa o que importa é audiência, nem que para isso seja preciso mostrar a morte de uma pessoa ao vivo na sua emissora, o governo tem que avançar imediatamente com uma lei que proíba a intromissão da imprensa no trabalho da polícia, tomando como exemplos os dois casos ocorridos.

Voltando a pergunta inicial, o papel da imprensa é atingir o máximo de audiência possível a qualquer custo, sem medir esforços e até colocando vidas em risco, é assim que quem trabalha na televisão pensa.