Mais compartilhadas

domingo, 4 de março de 2012

Farra dos políticos com o dinheiro público no Brasil.

news365mundo.com
Deputados do estado do Maranhão recebem 18 ordenados por ano é uma verdadeira farra de políticos com o dinheiro público no Brasil, uma constante por todo o país, apresenta no entanto, alguns exageros que chocam tanto mais quanto comparados à difícil vida dos que não ocupam cargos públicos. Um desses exemplos é o dos deputados do estado do Maranhão, que recebem por ano nada menos que 18 ordenados.

Os parlamentares do Maranhão, estado dominado há décadas pela família de outro ícone dos privilégios do poder, o presidente do Senado José Sarney ex-presidente da república, recebem por mês mais ou menos 20.000,00 reais de remuneração básica, têm direito a um chorudo auxílio para renda de casa, praticamente todas as despesas pagas (incluindo viagens), e o direito a terem a seu serviço até 19 assessores cada um, pagos igualmente com dinheiro público. Como se tudo isso já não fosse suficiente, além dos ordenados dos 12 meses do ano e do 13.º mês, os políticos recebem, no início ou no final de cada ano, uma generosa verba equivalente no total a mais cinco meses de ordenados, a título de compensação por despesas extraordinárias.

A generosidade do erário público, regulamentada e tornada obrigatória por decreto aprovado pelos próprios deputados, é tanta, que não precisam apresentar qualquer tipo de recibo ou justificativa para essa verba. Ou seja, trocado por miúdos, gastam-na como querem e no que querem, sem terem que explicar absolutamente nada, mesmo o dinheiro, em primeira análise, sendo do povo, pois decorre da cobrança de elevados impostos.

O caso do Maranhão chama a atenção pelo exagero e pelo facto do estado ser um dos mais pobres do país, onde pessoas morrem em hospitais por falta de equipamentos ou profissionais de saúde, os transportes, a educação e a segurança são precárias. Mas não é uma situação isolada. Vários estados brasileiros gastam verdadeiras fortunas com os seus parlamentares, que trabalham de dois a três dias por semana, quando aparecem, e têm direito a benefícios que nem presidentes de multinacionais privadas usufruem. O próprio Congresso Nacional, em Brasília, paga 15 ordenados por ano a cada um dos 513 deputados federais e 81 senadores, que têm vários meses de férias anuais, apartamentos de alto luxo à disposição, uma legião de assessores regiamente pagos e viagens de avião à vontade para irem aos seus estados de origem quando quiserem.

É uma vergonha, enquanto um trabalhador "normal" recebe apenas 14 ordenados por ano sendo que a metade volta para o governo na forma de impostos, os políticos do Brasil e um pouco por todo o mundo recebem 15 ou 18 ordenados por ano, enquanto o povo sofre para levar o país para frente contribuindo como podem e até com o que não podem, eles esbanjam o dinheiro do povo, uma verdadeira farra.